em , ,

Quer saber tudo sobre vinhos?

Quer saber tudo sobre vinhos?

Dicionário de Vinhos


Abafado Vinho a que se interrompeu a fermentação através da adição de aguardente ou álcool vínico, permanecendo doce (uma vez que o açúcar natural da uva não se transformou em álcool) e com elevadoVinho com elevado teor alcoólico que pode ser mais ou menos doce. Depois de esmagadas as uvas, retiram-se as partes sólidas e deixa-se o mosto iniciar a fermentação que é parada quando se adiciona aguardente vínica.

Abafador Utensílio de tanoeiro feito em chapa de ferro, que funciona com um jacto de vapor de água e cuja finalidade é amaciar a madeira, de forma a torná-la mais maleável.

Abafamento Operação que consiste em parar a fermentação pela adição ao mosto de aguardente ou álcool vínico. Obtém-se, assim, vinhos doces com elevado teor alcoólico.

Abafar cozinhar sem agua, usando o proprio liquido do alimento, com a panela apenas untada (com manteiga, margarina ou oleo vegetal) e em fogo baixo.

Aberto Vinho com pouca cor; esbatido.

Abeto Madeira que se utiliza para construir cascos e tonéis destinados ao estágio dos vinhos. Não se utiliza para o estágio de vinhos de qualidade.

Acabamento Diz-se das operações finais do processo de elaboração e de estágio de vinhos, sobretudo de clarificação.

Açafrão (vinhos) Aroma a esta especiaria (Açafrão), encontra-se nalguns vinhos tintos.

Açaime Armação de arame galvanizado com uma chapa superior, fixada no anel do gargalo das garrafas de vinho espumoso, destinada a manter a rolha que recebe a pressão do gás carbónico.

Acaju Cor já muito evoluída que os vinhos generosos apresentam na última fase de envelhecimento (aromáticos do Jerez, portos Tawny) e os brandies.

Acariciante Diz-se de um vinho redondo, fino, aveludado.

Acarreto Transporte da vindima da vinha para o lagar.

Acastanhado Termo utilizado para definir a cor de vinhos velhos e oxidados.

Acerbo Vinho que contém uma quantidade excessiva de ácido málico e tartárico, procedente de uvas pouco maduras.

Acético Diz-se de um vinho picado ou afectado pelas bactérias acéticas, que causam o envinagramento. Este defeito é próprio dos vinhos mal estagiados, em que a acidez volátil é excessiva.

Acetinado Diz-se de um vinho que apresenta uma sensação táctil agradável de finesse e de leveza, que recorda a textura lisa do cetim.

Acetol Denominação aplicada ao vinagre no seu maior estado de pureza.

Acetona Odor químico, muito desagradável, que recorda o verniz das unhas. Pode ser produzido por uma aeração do vinho e não é necessariamente permanente. Provém da oxidação de álcoois secundários.

Acetoso Diz-se do vinho adulterado, azedo. Que tem sabor avinagrado.

Acidez Característica essencial do vinho que contribui para o seu poder de conservação. É também a acidez que provoca uma agradável sensação de frescura e elegância na boca. Quando um vinho não tem acidez diz-se que é chato.

Acidez volátil Componente presente no vinho que, em dose elevada, origina o aroma a vinagre. Em excesso é o resultado da falta de cuidados durante a vinificação. Nos vinhos velhos é habitual um toque mais acentuado de acidez volátil, aos quais se dá a designação de “vinagrinho”.

Acidificação Operação regulamentada, segundo as zonas de produção, que permite aumentar a acidez natural do mosto e dos vinhos, quando é insuficiente. A normativa da União Europeia só autoriza esta correcção quando não vai junto da chaptalização simultânea. Utiliza-se o ácido tartárico e, em pequenas proporções, o ácido cítrico.

Acidímetro Instrumento usado na medição da acidez total.

Ácido ascórbico Ou vitamina C, quando adicionado ao mosto durante a vinificação, juntamente com o dióxido de enxofre, impede a oxidação e ajuda a manter frescos os vinhos brancos.

Ácido tartárico É o que figura em maior quantidade no vinho (2 g/l a 5 g/l). O ácido tartárico, duro e adstringente, provém da uva e pode originar inofensivos depósitos nos vinhos pouco estabilizados. Os produtores eliminam esses depósitos arrefecendo os vinhos e filtrando-os depois. Em casos de vinhos com pouca acidez, é desejável que o ácido tartárico seja adicionado, contribuindo para a qualidade global do vinho.

Acídulo Diz-se de um vinho em que a acidez é muito elevada, quase desagradável.

Acobreado Diz-se das cores castanho-avermelhadas, telha ou vermelho-dourado de alguns vinhos muito velhos. Nos rosados é sintoma de decrepitude. Nos brancos revela uma possível quebra cúprica.

Activador Substância que é capaz de acelerar um processo químico.

Adamado Quando um vinho apresenta uma determinada quantidade de açucar residual tornando-se doce. Este termo utiliza-se também em degustação, em especial para definir o sabor.

Adega
Conjunto de instalações onde se elabora e se submete um vinho a estágio. Ao contrário da cave subterrânea, que é ideal para o estágio dos vinhos, a adega costuma ser construída à superfície. Quando se destina ao estágio de vinhos, convém dotá-la de isolamento e de climatização. O estágio de vinhos generosos, como o xerez e o porto, faz-se sempre em adegas à superfície, dado que se trata de vinhos especiais.

Empresa que se dedica à elaboração, ao estágio e/ou à comercialização do vinho.

Adegueiro Responsável da adega e de todo o trabalho inerente à produção e estágio dos vinhos.

Adelgaçado Vinho a que foi misturada água quando ainda em mosto.

Aditivos Conjunto dos componentes que são adicionados aos produtos alimentares, visando aumentar a sua durabilidade ou alterar a sua cor, paladar e textura. São agrupados por categorias: aromatizantes, conservantes, antioxidantes, emulsionantes, estabilizantes e corantes. Identificam-se por números de código específicos. Os que são precedidos da letra E indicam que o aditivo foi aprovado, podendo ser utilizado em todos os países da Comunidade Europeia. Porém, várias organizações têm alertado para os efeitos secundários dos aditivos. De todos, destacam o E330 como sendo o mais prejudicial para a saúde: é cancerígeno, pode provocar alterações da digestão e outras perturbações.

Adstringente Sensação provocada pelo tanino existente no vinho que tem por efeito crispar as mucosas da boca. Ao procurar distendê-las, o provador dá a impressão de mastigar o vinho.

Aducha Utensílio usado em tanoaria para desencavar os arcos e auxiliar a introdução dos cravos no respectivo orifício.

Aduelas Tábuas curvas que formam o corpo dos tonéis, cascos, pipas, barris, tinas, dornas, celhas, quartolas, etc.

Adulterado Adjectivo que se aplica a um vinho falsificado por adição de uma substância estranha e proibida. Não corresponde, portanto, às suas características e apresenta-se dessa forma para enganar o comprador.

Agraço Sumo de uvas verdes.

Agressivo Vinho com um carácter gustativo intenso e desagradável pela excessiva adstringência e acidez.

Agreste Vinho com acentuadas características de acidez.

Agridoce Sabor simultaneamente azedo e doce que os vinhos tomam quando fermentados de forma incorrecta.

Água Pé
Vinho de qualidade medíocre, ácido e pouco alcoólico, obtido por fermentação dos bagaços, juntando-se água e açúcar.

Na pisa da uva, antigamente, o mosto que se obtinha depois da repisa. Chamava-se assim, porque se misturava com água para lhe tirar tanino e acidez.

(É uma bebida “tipica” por altura do São Martinho, embora haja quem a consuma durante todo o ano).

Agulha Sensação provocada por bolhas carbónicas existentes no vinho. Efervescência característica presente nos vinhos verdes. A agulha pode ser provocada pela adição de gás carbónico ou pela fermentação natural.

Amadeirado Vinho que apresenta um aroma e sabor a madeira, causado por um estágio em cascos de carvalho.

Amargo Sabor elementar e simultaneamente doença do vinho.

Americano Vinho proviniente de uvas de cepas híbridas, que não foram enxertadas com castas “vitis vinifera”. É proibida a sua comercialização, sendo no entanto bastante comum em Portugal.

Amplo Vinho que alia, na mais perfeita harmonia, sabor e bouquet, o que se traduz na degustação por sensações ricas e prolongadas.

Arejamento Quando o mosto ou o vinho fica em contacto directo e prolongado com a temperatura ambiente.

Aromas Primários Aromas do vinho com origem nas uvas utilizadas no seu fabrico.

Aromas secundários Resultantes da acção das leveduras formam-se durante a fermentação e são os responsáveis por aromas como a banana ou os frutos tropicais.

Aromático Diz-se dos vinhos jovens que exalam um odor característico, agradável e intenso a casta ou a fruta.

Áspero Vinho adstringente e ácido.

Austero Vinho rude, em que o bouquet é pouco perceptível devido à abundância de tanino.

Aveludado Diz-se do vinho que deixa na boca uma sensação de grande macieza.

Aventado Diz-se do vinho diminuído nas suas faculdades em virtude de múltiplos arejamentos.

Azedo Diz-se de um vinho com um pronunciado sabor a vinagre, proveniente do excesso de ácido acético.

Bacelo Termo utilizado em Portugal para designar a planta base da videira e equivalente a “cavalo” ou “porta-enxerto”.

Bafio Diz-se do vinho atacado por bolores com sabor fortemente desagradável.

Bagaço Matérias sólidas da uva esmagada, impregnadas de vinho após o escorrimento, quando prensadas contituem o “bagaço prensado”.

Baguear Técnica de escurecer o vinho com sumo de baga de sabugueiro.

Balanço Equilibrio nas várias componentes do vinho: alcoól, acidez e tanino.

Balsâmicos Aromas presentes no vinho que lembram incenso, resinas ou bálsamos vegetais.

Bastão Diz-se do vinho encorpado e taninoso.

Baumé Escala de densidade utilizada para mostos e vinhos doces que permite inferir o grau de doçura do produto.

Bica aberta Técnica em que o mosto fermenta separado das películas utilizada na vinificação de vinhos brancos e rosés. Consiste em não deixar fermentar o mosto junto com o engaço e a película das uvas, permitindo assim obterem-se vinhos brancos a partir de uvas tintas. Este processo é actualmente conhecido por vinificação em branco.

Bouquet Galicismo com o qual se designa universalmente o conjunto de aromas que se desprendem do vinho, especialmente durante a fermentação e envelhecimento.

Branco Diz-se do vinho de coloração amarela, leve ou carregada, devido à catechina, substância corante.

Branco Velho Denomina-se assim, na região de Lisboa, a mistura de vinho branco de lote com uma percentagem de «vinho abafado» (cerca de 20%) que os próprios taberneiros compõem.

Brilhante Diz-se do vinho – tinto ou branco – que na prova se apresenta especialmente cintilante e transparente.

Bruto Termo utilizado para designar o valor de açucar residual dos vinhos espumantes. Corresponde ao mais seco de todos os espumantes sendo que o seu teor de açucar residual é inferior a 1,5 g/l.

Butínico Diz-se do vinho com aroma e sabor a ranço.

Caído Diz-se do vinho transparente, após a fermentação

Caloroso Vinho que provoca uma sensação de calor nas mucosas por acção da sua elevada graduação alcoólica.

Cansado Diz-se do vinho que esgotou as suas virtualidades, pelas múltiplas manipulações a que o submeteram.

Capitoso Vinho com elevado teor alcoólico, que embriaga facilmente.

Carácter Diz-se do vinho de elevada qualidade onde todos os seus atributos típicos se encontram enaltecidos.

Caramelizado Vinho com sabor e aroma a caramelo.

Carnudo Todo o vinho tinto que pela sua forte compleição «sacia» as papilas e «espessa» a boca.

Carrascão Vinho muito encorporado, «sólido» à boca e acentuadamente taninoso. Diz-se também do vinho «comum» (ver este termo).

Casco Recipiente construído em madeira que serve para o transporte e envelhecimento de vinho. Em Portugal a sua capacidade varia normalmente entre os 700 e os 850 litros.

Casse Galicismo que designa as diversas alterações que os vinhos sofrem no âmbito do odor e paladar.

Casta Variedade de uva. Elemento determinante na caracterização de um vinho e na sua tipicidade. A mesma casta em solos e climas diferentes origina vinhos diferentes.

Cervejão Diz-se do vinho levemente gasoso, agradável ao paladar e de baixo teor alcoólico.

Château Designação francesa para uma propriedade que produz e engarrafa o seu vinho.

Chato É um vinho em regra desequilibrado, sobretudo por falta de bouquet e de acidez. Vinho que decaiu e perdeu o carácter.

Citrino O vinho branco cuja cor lembra o limão.

Clarete Vinho tinto desmaiado, cujo limite se situa entre o rosado e o tinto.

Clarificação Eliminação das partículas em suspensão no vinho. Normalmente este processo é obtido através de centrifugação, filtração ou colagem.

Colheita tardia Vinho com teores de açucar mais elevados derivado a ser fabricado com uvas vindimadas mais tarde do que o normal.

Completo Vinho rico, equilibrado e harmonioso.

Complexo Vinho com grande diversidade de sensações.

Comum Diz-se do vinho sem originalidade, sem estilo e sem carácter. Ordinário.

Cor O vinho admite uma paleta cromática variada que espelha aspectos importantes para sua caracterização. Nos vinhos tintos, por exemplo, uma coloração azulada revela um vinho jovem enquanto que a presença de tonalidades amarelas é sinal de envelhecimento.

Corpo È todo o vinho bem constituído e onde a proporcionalidade dos vários elementos, sem ter todavia a qualidade de um bom carácter, é harmoniosa, deixando a boca «espessa».

Cremor tártaro de sabor ácido, é utilizado na fermentação de vinhos de produção caseira e noutras fermentações artificiais, como na preparação de rebuçados, bolos com claras de ovos e merengues.

Cristalino Diz-se do vinho muito brilhante.

Cru Diz-se de um vinho que devido ao insuficiente amadurecimento das uvas que lhe deram origem, apresenta um excesso de acidez. Mas de um modo geral todos os vinhos, quando muito jovens, são um pouco verdes por não estarem ainda totalmente feitos.

Cuba Depósito onde se armazenam vinhos ou se desenvolve o processo de fermentação dos mostos. É também conhecida por balseiro, tem a forma de tronco de cone.

D.O.C. Denominação de Origem Controlada – são vinhos cuja produção está tradicionalmente ligada a uma região geográficamente delimitada e sujeita a um conjunto de regras com legislação própria.

Débil Vinho com um carácter pouco acentuado.

Decantação Diz-se do acto de trasfegar o vinho da garrafa mãe, para outra, de preferência de cristal transparente, de forma a desembaraçá-lo das impurezas em depósito, normalmente o seu melhor atestado de vetustez.

Decantar técnica usada para que o sedimento se separe do líquido, deixando o líquido “descansar”.

Decrépito Vinho desequilibrado, provocado por velhice acentuada.

Delgado Diz-se do vinho com pouco “corpo”.

Denominações de Origem O sistema de denominações dos vinhos portugueses ainda se encontra em evolução. Actualmente, existem cerca de 48 Denominações de Origem (D.O.), das quais 19 produzem vinhos de Denominação de Origem Controlada e 29 produzem vinhos de Indicação de Proveniência Regulamentada (I.P.R.).

Desagradado Vinho que evoluiu mal; defeituoso.

Descorado Diz-se do vinho branco praticamente incolor.

Desengaçar Operação de separação dos bagos de uva do cacho (engaço). Pode ser efectuada à mão ou mecanicamente e é de grande importância em especial na obtenção de vinhos brancos.

Desengace Separação dos bagos de uva dos engaços.

Desequilibrado Diz-se do vinho irregular nos seus componentes e que se apresenta sem harmonia nem carácter.

Distinto Diz-se do vinho personalizado, diferente de todos os outros da mesma casta, pelo o seu bouquet, brilho e sabor.

Duro Diz-se do vinho que fere o paladar pela acidez e adstrigência, ainda que não seja forçosamente desagradável.

Elegante Harmonioso; delicado.

Empoado Vinho levemente turvo.

Empoeirado Diz-se do vinho que se apresenta levemente turvo.

Enântico Que se refere ao aroma dos vinhos.

Encoberto Diz-se do vinho branco ou tinto que apresenta turvação.

Encorpado Vinho pastoso e espesso. Termo utilizado em degustação relativo a um vinho que apresenta muito corpo, com um paladar pesado e substancial.

Enófilo Aquele que é amigo do vinho e o propagandeia.

Enófobo Aquele que tem aversão ao vinho.

Enologia Ciência que estuda o processo de transformação das uvas em vinho.

Enólogo Aquele que é versado em enologia.

Envelhecimento Fenómeno de oxidação a que estão sujeitos alguns vinhos e que lhes permite com o tempo apurarem as suas qualidades, ao ponto de os tornar em preciosidade.

Equilibrado Vinho no qual os diferentes elementos, tais como a acidez, o açúcar, o álcool, etc. existem em proporções adequadas.

Escanção Antigamente era o oficial da corte que tinha por encargo, na ocasião dos repastos, deitar o vinho na taça e oferecê-lo ao rei. Actualmente, nos bons restaurantes, é o chefe de vinhos que os recomenda e serve aos clientes.

Escorrimento Escoamento, antes da prensagem, do suco contido nas uvas esmagadas ou no bagaço.

Esmagamento Acção de esmagar as uvas a fim de libertar o mosto que contêm.

Espirituoso Vinho rico de aromas e álcool.

Espumante Vinho obtido através de uma segunda fermentação. No método clássico ou champanhês esta segunda fermentação é efectuada na garrafa mediante a adição de leveduras enquanto que no método contínuo é obtida em cuba fechada.

Espumante Natural e Espumante Gaseificado Os espumantes são vinhos efervescentes, pois passaram por uma segunda fermentação alcoólica, em recipiente fechado, para não perderem o gás. Estes vinhos trazem frequentemente à memória ocasiões de alegria, uma vez que são considerados indispensáveis para assinalar um festejo importante, mas também acompanham maravilhosamente refeições de carne, como, por exemplo, o leitão assado.

Espumoso Zurrapa com excessivo gás carbónico artificial.

Estrutura A estrutura de um vinho é o equilibrio entre os seus componentes. Organização interna do vinho que se pode “decompor” em corpo, alcoól, tanino e complexidade.

Etanal Tem origem no principal álcool do vinho, o etanol. Corresponde à primeira etapa da oxidação do vinho e é normalmente detectável pelo aroma característico a maçã oxidada.

Exuberante Vinho de aromas intensos.

Fatigado Quando um vinho perde temporáriamente as suas características devido ao transporte, engarrafamento ou manipulação indevida. Nestas situações torna-se necessário deixar repousar o vinho para que este recupere.

Febre da garrafa Fenómeno de turvação irreversível que o vinho pode sofrer após o engarrafamento, normalmente devido ao arejamento excessivo a que esteve sujeito.

Fechado Vinho que ainda não mostra todas as suas qualidades.

Feminino Vinho elegante, sedoso na boca, de aromas serenos e tranquilos.

Fermentação alcoólica Processo onde por acção das leveduras o açucar das uvas é transformado em álcool. Esta transformação é devida a vários tipos de leveduras e tem duas fases distintas: a fase tumultuosa cuja duração é de 6 a 8 dias, e a fermentação lenta que pode durar algumas semanas.

Fermentação em garrafa Processo onde depois de uma primeira fermentação o vinho é engarrafado desenvolvendo uma segunda fermentação por acção de leveduras adicionadas. É o processo utilizado na produção de espumantes.

Filtração Processo de limpeza do vinho antes do engarrafamento por forma a impedir a existência de partículas em suspensão. Este processo habitualmente não é utilizado nos vinhos tintos, com excepção dos de consumo corrente, sendo no entanto indispensável nos brancos.

Fino Diz-se do vinho com um bouquet impregnante e de carácter coincidente. Termo utilizado para qualificar os vinhos de gosto delicado e perfume subtil. Esses vinhos são sempre de qualidade superior.

Flamejar Palavra afrancesada que significa o acto de puxar fogo a um alimento regado com álcool.

Flavor Cor cítrica que os vinhos adquirem ao envelhecer.

Flor Patologia que ataca o vinho provocada por uma bactéria aeróbia -Micoderma vini-, que transforma em vinagre se não se tomam a tempo as necessárias providências.

Florar Vinho com aroma a flores.

Fraco Diz-se do vinho aguado, pobre de todos os seus elementos, sobretudo de álcool. Diz-se dos vinhos produzidos em geral em maus anos, aos quais falta um pouco de tudo: cor, álcool, aroma, etc. Vinho anémico.

Franco Vinho sem defeitos, de cor bem definida.

Fresco Diz-se do vinho jovem, bem equilibrado, ligeiramente ácido, frutado e com um grau alcoólico médio.

Frutado Diz-se do menor ou maior sabor à uva que determinados vinhos conseguem conservar.

Garrafeira Designativo de qualidade genuinamente português associado ao ano de colheita, em que o vinho passou por um processo de envelhecimento de seis meses antes do engarrafamento e de outros seis meses na garrafa no caso dos brancos e dos rosés, sendo esse mesmo envelhecimento respectivamente de dois anos e um ano no caso dos tintos. Deverá ainda apresentar qualidade destacada e um grau alcoólico volumétrico superior, pelo menos, em 0,5º ao limite mínimo legalmente fixado.

Generoso Vinho vigoroso, rico em álcool, que provoca no organismo uma agradável sensação de bem-estar.

Genuinidade Todo o vinho cuja pureza de casta ou de região é possível garantir.

Gordo É o vinho que tem corpo, que é cheio, geralmente doce e rico em glicerina natural. Sensação que permanece na boca normalmente associada a vinhos feitos com uvas muito maduras ou de climas quentes.

Grande vinho Diz-se do vinho excepcional, em que todas as suas qualidades estão enaltecidas. É sempre o produto de uma grande colheita.

Guloso Vinho que se bebe bem pela sua macieza e equilíbrio.

Harmonioso Vinho equilibrado, agradável, bonito.

Herbácio Diz-se do vinho que apresenta, simultaniamente, aroma e sabor a fruta verde e erva fresca.

Hipocraz Vinho em infusão de açúcar e canela.

I.P.R. Indicação de Proveniência Regulamentada – designa vinhos que, embora gozando de características particulares, têm de cumprir, num periodo minimo de 5 anos, todas as regras estabelecidas para a produção de vinhos de grande qualidade para poderem passar à classificação DOC.

Jovem Diz-se do vinho que conserva todas as características de juventude: estrutura, aroma, cor e intensidade. Uma grande parte dos vinhos devem ser bebidos jovens, altura em que apresentam maior vivacidade e têm um aroma e sabor frutado. A grande maioria dos vinhos brancos e uma parte considerável dos tintos devem beber-se com menos de cinco anos de idade.

Lágrima Rasto brilhante que se observa nas paredes internas do «copo de prova», característico da viscosidade e força do vinho.

Leve Diz-se do vinho ligeiro de cor, de força e de corpo, apresentando no entanto um todo harmónico ao paladar.

Licoroso Equivalente a generoso. Produzido em regiões que não as D.O.C. uma vez que só estas produzem generosos.

Límpido Diz-se do vinho isento de partículas em suspensão, visíveis a olho nu. Qualidade particularmente apreciada pelo consumidor, mas que coloca ao produtor um problema de difícil resolução já que cada operação necessária para assegurar a tão desejada limpidez faz perder ao vinho um pouco de seu aroma e do seu bouquet.

Longo Característica de um vinho que mantém o sabor e o aroma na boca após a sua ingestão.

Lotação Elaboração de um lote através da mistura de dois ou mais vinhos.

Lote Vinho obtido pela mistura homogeneizada de dois ou mais vinhos.

Maceração Contacto prolongado do mosto com as partes sólidas da uva.

Magro Termo que designa um vinho com fraco teor alcoólico, tenue aroma e bouquet insuficiente.

Mal de garrafa Sabor desagradável, vagamente túrbido, que alguns vinhos generosos adquirem quando engarrafados há muito tempo. Este fenómeno é solucionável normalmente com a trasfega e um arejamento de
24 horas, antes de ir à mesa.

Malvasia Diz-se do vinho feito do mosto das uvas desta casta.

Maturação Período de amadurecimento das uvas onde a acidez vai baixando aumentando os teores de açucar. Este período tem uma duração de sensivelmente 45 dias. As uvas dizem-se maduras quando existe um equilibrio entre açúcares e ácidos.

Meduloso Diz-se do vinho suave, aveludado e bem apaladado.

Metálico Aroma resultante do contacto dos taninos com o metal das cubas ou cascos e que normalmente é desagradável.

Nervoso Diz-se do vinho vivaz na cor, aroma e paladar.

Neutro Diz-se do vinho morto, carente de qualquer carácter. Que não provoca nenhuma emoção ao prová-lo.

Nobre Diz-se de um vinho que apresenta qualidades ímpares.

Oxidação Vinho que sofreu alterações devido ao contacto com o oxigénio do ar. Este processo é indispensável no Vinho do Porto pois confere-lhe aromas característicos sendo no entanto indesejável nos vinhos de mesa novos. É um processo que poderá ocorrer nos vinhos velhos por defeito de rolha ou mau acondicionamento.

Oxidado Vinho que se altera em contacto com o ar.

Palhete Diz-se do vinho tinto um tanto ou quanto descolorido.

Passado Diz-se do vinho descaracterizado por um envelhecimento excessivo. Acontece este fenómeno aos vinhos que, ab initio, não apresentam grandes características organolépticas.

Perfumado Vinho proviniente de castas muito aromáticas sobressaindo o aroma quando se leva o copo ao nariz.

Persistente Diz-se do vinho cujas sensações gustativas permanecem agradavelmente nos nossos sentidos. É, em geral, um excelente vinho.

Pesado Termo que designa um vinho desequilibrado, caracterizado por um elevado teor alcóolico e por vezes também demasiado rico em tanino, o que mascara totalmente quer o aroma quer o bouquet, admitindo que existam.

Picado Diz-se do vinho que tem excesso de acidez e denota um sabor a vinagre.

Picante Diz-se do vinho com «agulha» ou daquele que iniciou um processo acetoso.

Pisar Esmagamento da uva pelo pé de homem.

Pleno Vinho harmonioso, bem equilibrado, rico em álcool, agradavelmente encorpado. É sempre um excelente vinho.

Quebrado Vinho em decadência.

Queimado Diz-se do vinho generoso que tem pronunciado paladar a aguardente, o qual mais se fundirá à medida que se processar o equilíbrio.

Quente Vinho rico em álcool. Dele se diz que aquece o corpo.

Quinta Termo utilizado para vinhos com direito a usarem a designação D.O.C. É o equivalente às designações francesas de “château” e “domaine”.

Rascante Diz-se do vinho excessivamente tanioso.

Redondo Macio. Vinho harmonioso, suficientemente rico em álcool e em glicerina e sem excesso de acidez. É sempre um vinho excelente.

Refrescar Deitar vinho ou água num assado ou outra coisa qualquer, quando o líquido tenha desaparecido.

Regionais Vinhos de mesa com indicação geográfica ou também vinhos produzidos numa região específica.

Reserva Normalmente um vinho escolhido pelo produtor pelas suas qualidades e velhice.

Retinto Vinho tinto de cor escura. Tinto carregado. Cor do vinho após a sua fermentação, especialmente se for de castas ricas em matérias corantes. É também um termo em degustação durante a apreciação da cor pelo processo visual.

Rijo Diz-se do vinho demasiado ácido e áspero. É normalmente de elevado teor alcoólico.

Robusto Vinho sólido rico em taninos, sendo normalmente bastante encorpado e alcoólico.

Rolha Gosto que poderá ser detectado quando da prova, que consta de um nítido sabor a cortiça e é transmitido pela utilização na garrafa de uma rolha com defeito.

Rosado ou Rosé È um tipo de vinho tinto de cor muito desmaiada, levemente acidulado, de 10º a 11º, sendo o produto da mistura cuidada de mostos ou vinhos tintos e brancos e com pouca “curtimenta”.

Ruby Vinho do Porto jovem; designação também utilizada para a cor de um vinho tinto já estagiado.

Seco Diz-se do vinho que ao paladar não dá qualquer sensação de doce. Termo utilizado para designar os vinhos brancos que não têm açúcar. Na realidade pode-se considerar seco um vinho que contém 1 ou 2g por litro, já que a impressão de açúcar só aparece a partir dos 5g por litro para a maior parte dos consumidores.

Sedoso Característica dos vinhos que apresentam uma textura macia no palato, mais notória nos vinhos generosos mas também em certos vinhos de mesa de elevada qualidade e com alguma idade.

Sercial Vinho da Madeira produzido por esta casta; branco, muito ácido e áspero.

Suave Vinho de perfume delicado, de grande macieza, só possível em vinhos excelentes. Vinho bem equilibrado, com fraca adstringência. É também utilizado para classificar um vinho com baixo teor alcoólico, em que nenhum dos componentes sobressai.

Sulfídrico Odor e gosto a enxofre que alguns vinhos adquirem durante a fermentação.

Tambuladeira Pequena taça sem pé, de vidro ou prata, usada antigamente pelos provadores a fim de apreciarem a cor e o corpo do vinho.

Taninos Substâncias orgânicas encontradas nas cascas, hastes e sementes das uvas. Actuam como conservantes. Conferem estrutura aos vinhos, particularmente aos tintos, sendo indispensáveis à sua longevidade.

Taninoso Diz-se do vinho que sabe muito a tanino ou do que é fortemente adstringente.

Tawni-Port Nome que os Ingleses dão ao vinho do Porto de cor oxigenada, envelhecido pelo o tempo, para o distinguir do vintage. Equivalente a aloirado é o tipo de Vinho do Porto mais vulgar. Os tons acastanhados são adquiridos pelo longo período de envelhecimento em casco e pela oxidação. Pertencem também a esta categoria os vinhos com indicação de idade: 10, 20, 30, 40 e mais de 40 anos.

Tinto Diz-se do vinho vermelho, escuro ou claro, cuja pigmentação é dada pela enocianina.

Tonel Pipa de grandes dimensões normalmente de madeira que geralmente se destina ao envelhecimento do vinho.

Topázio Diz-se do vinho branco de cor amarelo-forte.

Toque Paladar ou odor particular que certos vinhos ostentam, individualizando-os.

Torrão Diz-se da característica particular, imprimida pelo o solo, nos vinhos de uma determinada região.

Tranquilo Vinho sem gás carbónico.

Trasfega Operação que consiste na mudança do vinho de um recipiente para outro, tendo como principal objectivo depurá-lo de resíduos.

Turvo Diz-se do vinho queà vista se apresenta parcial ou totalmente opaco.

V.E.Q.P.R.D. Vinho Espumoso de Qualidade Produzido em Região Determinada.

V.L.Q.P.R.D. Vinho Licoroso de Qualidade Produzido em Região Demarcada.

V.Q.P.R. Designação genérica de Vinhos de Qualidade Produzido em Região Demarcada que podem ser D.O.C. ou I.P.R.

V.Q.P.R.D. Classificação Europeia a que devem obedecer os vinhos de qualidade e que significa Vinho de Qualidade Produzido em Região Determinada. Na categoria superior estão os vinhos de Denominação de Origem Controlada ( D.O.C.), depois os vinhos com Indicação de Proveniência Regulamentada (I.P.R.)

Varietal Vinho de uma só casta de uvas.

Velho Em geral são considerados “velhos” os vinhos cuja idade está compreendida entre os 5 e 15 anos de idade. O envelhecimento diminui a aspereza do vinho e liberta o bouquet.

Verdura Diz-se do paladar especial dos vinhos novos.

Vinho Abafado Vinho mais ou menos doce, com elevado teor alcoólico.

Vinho Acetoso É o vinho adulterado e azedo que tem sabor avinagrado.

Vinho Adamado Vinho com pouca graduação alcoólica e adocicado.

Vinho Amadeirado É o vinho que apresenta aroma e sabor a madeira, devido ao estágio em cascos de carvalho.

Vinho Aveludado Vinho macio e harmonioso.

Vinho Aventado É o vinho diminuído nas suas faculdades por múltiplos arejamentos.

Vinho Branco e Tinto Todos os vinhos são provenientes da fermentação das uvas, só que, no caso do vinho branco, as uvas utilizadas são de cor clara e, no caso do vinho verde são uvas pretas. Na produção de vinhos tintos, as uvas são fermentadas juntamente com as suas respectivas grainhas e pele (maceração). Quanto mais tempo demorar o processo de maceração, mais tinto será o vinho. Por sua vez, o vinho branco não intensifica, nem tão pouco altera, a sua cor inicial, porque a sua produção não integra a maceração.

Vinho Brilhante É o vinho que, na prova, se apresenta especialmente cintilante e transparente.

Vinho Caloroso Vinho com uma graduação alcoólica elevada, que provoca uma sensação de calor nas mucosas.

Vinho Capitoso Vinho com um grau alcoólico elevado.

Vinho Chato É o vinho sem acidez.

Vinho de Reserva É o vinho escolhido pelo produtor pelas suas qualidades e velhice. Segundo a tradição, “reserva” era o vinho que o produtor guardava para consumo familiar. Actualmente, esta classificação é um índice de qualidade sujeito a exigências legais, de acordo com o estatuto de cada denominação de origem. A designação “reserva” só é atribuída a um vinho de qualidade superior.

Vinho Delgado Diz-se do vinho com pouco corpo. Recebe esta designação quando se aprecia o conjunto corpo-harmonia.

Vinho Encorpado Vinho com alto teor de álcool e de essências. Tem um paladar pesado e substancial.

Vinho Fatigado É um vinho que perdeu momentaneamente as suas qualidades devido ao transporte, engarrafamento ou manipulação indevida; quando isto acontece, é necessário deixá-lo tranquilo algum tempo para que possa recuperar.

Vinho Frutado É o vinho com aromas de frutos; frutos vermelhos (cassis, cereja, framboesa) para os vinhos tintos; para os vinhos brancos, frutos como pêssego, damasco, citrinos.

Vinho Maduro Os vinhos maduros não são gaseificados e têm, em regra geral, uma acidez inferior à dos vinhos verdes. O seu teor alcoólico é variável, dependendo bastante da localização geográfica da respectiva vinha.

Vinho Novo Diz-se do vinho do ano, ainda cru e com certo sabor a mosto.

Vinho Perfumado Designa um vinho proveniente de castas muito aromáticas; o aroma sobressai quando se leva o copo ao nariz.

Vinho Rosé O vinho dito “rosé” adquire a sua cor rosada (escurece) porque é produzido com uvas brancas ou tintas e passa, posteriormente, por um processo de maceração, ainda que menos prolongado do que o dos vinhos tintos.

Vinho Verde Diz-se de um vinho único no mundo, produzido em Portugal na região do Minho, feito com uvas muito ácidas criadas a grande altura do solo.

Vinhos D.O.C. Denominação de Origem Controlada.Designação dos vinhos cuja produção está tradicionalmente ligada a uma região delimitada e com regras próprias (características dos solos, castas recomendadas ou autorizadas, etc).Na prática, têm este estatuto as mais antigas regiões produtoras destes vinhos.

Vinhos Licorosos Os vinhos generosos são vinhos licorosos de alto teor alcoólico. São ideais como aperitivos, preparando o paladar e o organismo para uma boa refeição. Acompanham, com perfeição, o queijo, quando servido após a sobremesa, e devem ser bebidos em pequenos cálices. Exemplos: Vinhos do Porto, da Madeira, Carcavelos, os Moscatel de Setúbal e Favaios.

Vinoso Vinho de elevada graduação, denso na boca e intenso no nariz.

Vintage Expressão inglesa com que se designa um tipo especial de vinho do Porto, produzido só nos anos em que o ciclo de desenvolvimento das uvas e das fermentações se revestiu de excepcional qualidade. É conhecido entre nós por «vinho de novidade».

Vivo Diz-se do vinho cuja acidez fixa actua agradavelmente no paladar, sem se acusar excessivamente.

Zurrapa Diz-se da mistela que pretende passar por vinho.

Sopa de Tomate com Ovos Escalfados

Arrufadas de Coimbra