em ,

Cristas de Galo

Cristas de Galo
Cristas de Galo
Cristas de Galo

Estes pastéis, oriundos do Convento de Santa Clara de Vila Real e certamente uma das receitas mais representativas da doçaria conventual vila-realense, começaram por ser designados Pastéis de Toucinho, sendo igualmente conhecidos por Pastéis de Vila Real ou Pastéis de Toucinho do Céu. A denominação atual impôs-se nas últimas décadas pela forma e recorte destes doces, a lembrar cristas.

Estes pastéis eram consumidos no convento na quinta-feira gorda (a seguir ao Carnaval) e confecionados igualmente nos momentos em que se distribuíam as «obrigações» que o convento manteve ao longo de toda a sua existência. Assim, na véspera da festa de Santa Clara, no sábado de Ramos e no dia de São Domingos, saíam as criadas do convento com enormes tabuleiros, caixas e malgas, a fazer distribuição dos pastéis e outras especialidades pelos elementos do Senado Municipal, representantes da justiça, serventuários do convento e outras figuras representativas que, na ocasião, se encontrassem em Vila Real.

Foi através destas criadas que as receitas foram passando para as casas particulares e para as lojas, à medida que os conventos encerravam ou perdiam a sua importância.

Ingredientes:

(3 dúzias de pastéis)
Para a massa
  • 1 ovo
  • 1 pitada de sal
  • 125 g de banha
  • 500 g de farinha de trigo
  • água q.b.
Para o recheio
  • 1 colher (café) de canela
  • 1 maçã ácida
  • 100 g de miolo de amêndoa, pelada e moída
  • 250 g de açúcar
  • 30 g de toucinho gordo
  • 7 gemas
  • açúcar p/ polvilhar

Confeção:

Comece por preparar a massa. Peneire a farinha para uma tigela, junte o sal, a banha, o ovo e um pouco de água.

Trabalhe bem até a massa ganhar elasticidade e não se pegar às mãos.

Deixe a massa descansar durante, pelo menos, ½ hora.

Entretanto, prepare o recheio. Leve o açúcar ao lume com a quantidade de água suficiente para o cobrir e deixe ferver até atingir o ponto de pérola (quando a calda, ao correr, formar um fio ligeiramente preso, com uma bola na ponta, semelhante a uma pérola).

Junte o miolo de amêndoa, o toucinho e a maçã, também ralados, e deixe cozer até fazer estrada e o preparado endurecer bem.

Retire do lume, deixe arrefecer e junte as gemas, batidas com a canela, mexendo sempre. Reserve.

Creditos: http://www.docesregionais.com

Orelhas de Abade (Alentejo)

Quiche de Rolinhos de Vegetais